Domingo, 20 Novembro, 2022

10 passadiços, cascatas e lagoas para visitar no Alentejo

Data:

Partilhar:

Há muito tempo que o Alentejo deixou de ser apenas um destino de férias para pessoas que procuravam algo simples. Hoje em dia, a oferta turística desta região é muito maior e diversificada graças à adição de algumas das suas maravilhas naturais. É neste grupo que se incluem os passadiços, as cascatas e as lagoas.

Apesar de pouco apreciados por algumas pessoas, os passadiços permitem descobrir com conforto algumas zonas que antes seriam inacessíveis. É uma das melhores formas de caminhar em comunhão com a natureza e desfrutar de algumas das mais belas áreas naturais do Alentejo.

Alguns deles conduzem a cascatas e a praias fluviais onde se pode refrescar. Outros traçam o seu trajeto ao longo de rios de águas cristalinas. Descubra alguns dos mais fantásticos passadiços, cascatas e lagoas para descobrir no Alentejo.

1. Passadiços do Alamal

Passadiços do Alamal
Passadiços do Alamal

É um Alentejo diferente aquele que podemos contemplar enquanto caminhamos pelos passadiços do Alamal. Um Alentejo à beira rio e com o Castelo de Belver bem imponente, lá no alto, a dominar a paisagem circundante.

O percurso tem início na Praia Fluvial do Alamal e termina na centenária Ponte de Belver. Pelo caminho, pode desfrutar de uma caminhada longe da confusão da cidade, seguindo sempre a margem do Tejo.

2. Cascata do Pulo do Lobo

Cascata do Pulo do Lobo
Cascata do Pulo do Lobo

É a maior cascata do sul de Portugal, com 15 metros de altura, e um lugar a não perder quando estiver de passagem por Mértola, no Alentejo. Fica no Parque Natural do Vale do Guadiana, uma área florestal protegida que abrange os concelhos de Mértola e Serpa, próxima da fronteira espanhola.

Existe um trilho circular, com cerca de 6 km, que é a melhor sugestão para ir até ao Pulo do Lobo, ao mesmo tempo que aprecia a calma e sossego do Alentejo. É considerado de dificuldade média, pelo que é ideal se já tem experiência ou gosto por este tipo de percurso.

3. Cascata da Cabroeira

Cascata da Cabroeira
Cascata da Cabroeira

Também chamada “Cascata da Rabaça”, esta é uma das mais imponentes quedas de água da Serra de São Mamede e de todo o Alentejo. Mas dar com ela pode não ser tão fácil. Está localizada já quase na fronteira com Espanha perto de uma pequena aldeia chamada Rabaça (daí a razão do seu outro nome oficial).

Para lá chegar, deve seguir pela M1044 em direção à aldeia de Cabroeira de Baixo. Estacione o seu carro na berma da estrada, 2 quilómetros antes de chegar à aldeia. A partir daqui, são apenas 1000 metros a pé até um penhasco de onde avista a cascata e onde pode observar uma paisagem deslumbrante e pouco comum para o Alentejo.

4. Passadiços do Gameiro

Passadiços do Gameiro
Passadiços do Gameiro

Com início na praia fluvial do Gameiro, este passadiço segue sempre junto ao rio Raia e a paisagem circundante é a tipicamente alentejana, com os seus montados de ondulação suave.

Localizado no concelho de Mora, tem apenas 1.5 quilómetros de extensão. No entanto, está inserido num trilho pedestre que lhe permite aumentar a distância até aos 5.5 quilómetros e que passa pelos típicos montados alentejanos. Um passeio a não perder!

5. Cascata de São Julião

Cascata de São Julião
Cascata de São Julião

Esta é, sem dúvida, a mais bonita e deslumbrante das cascatas do Alentejo. É também conhecida pelo nome de Cascata do Monte Sete por se localizar perto de um pequeno povoado com este nome. São as cristalinas águas do rio Xévora que a alimentam.

A cascata está localizada num vale verdejante, repleto de árvores. As quedas de água são belíssimas e muito fotogénicas. Além disso, formam pequenas lagoas na sua base onde é possível tomar um refrescante banho nos dias mais quentes do Verão.

6. Passadiços de Nisa

Passadiços de Nisa
Passadiços de Nisa

São um dos mais recentes passadiços em Portugal! Integrados no Trilho da Barca d’Amieira, em Nisa, os passadiços de Nisa abriram ao público em Abril de 2021 e prometem causar furor.

Para além dos passadiços, há ainda uma deslumbrante ponte pedonal suspensa (que precisará de alguma coragem para atravessar), um miradouro transparente sobre o Rio Tejo e um local de observação aves. São muitos os motivos para fazer estes passadiços!

7. Cascata do Pego do Inferno

Cascata do Pego do Inferno
Cascata do Pego do Inferno

Também se chama Cascata dos Mosteiros e talvez fosse mais indicado utilizar este nome para não a confundir com outra cascata com a mesma designação mas localizada no Algarve. Aliás, o nome vem da aldeia mais próxima a esta cascata: Mosteiros.

A partir de Portalegre em direção a Mosteiros, a cascata localiza-se um pouco antes de chegar à aldeia. Para lá chegar, procure pela rua de São Bento, uma pequena via que conduz à aldeia através do campo de futebol.

8. Passadiços da Serra d’Ossa

Passadiços da Serra d'Ossa
Passadiços da Serra d’Ossa

Perto do Redondo, no Alentejo, os novos passadiços da Serra d’Ossa contam com quase 2 quilómetros de extensão. Ligam a aldeia da Serra à Ermida de Nossa Senhora do Monte da Virgem. O percurso faz-se por entre o arvoredo e conta com alguns degraus, mas a caminhada compensa.

Além da natureza, é possível deslumbrar-se com algumas grutas naturais construídas pelos frades eremitas que viviam na Ermida. Se optar por realizar todo o percurso, incluindo a parte sem passadiços de madeira, são 7.7 km, ida e volta.

9. Pego das Pias

Pego das Pias
Pego das Pias

A norte da freguesia de S. Salvador, entre S. Luís e Odemira, encontrará este local de extrema beleza. Esta atração, isolada entre rochas, não tem intervenção humana, sendo cem por cento natural. O nome vem das cavidades circulares da rocha, provocadas por redemoinhos existentes na altura em que o nível das águas era superior ao atual. 

10. Cascata das Cobras

Cascata das Cobras
Cascata das Cobras

De todas as praias do Alentejo, a praia da Amália é uma das mais bonitas (e também quase secretas). Um dos seus maiores atrativos é uma cascata que cai pela ravina abaixo e segue depois em direção ao mar. O nome da cascata não engana: existem muitas cobras nas suas águas. Mas esteja descansado porque são totalmente inofensivas.

Diana Santos
Diana Santos
Nascida e criada em Barcelos, foi no Porto que estudou jornalismo mas chama casa à cidade de Guimarães. Alia o gosto pela escrita à sua paixão por viagens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário!
Por favor, escreva o seu nome aqui

Artigos relacionados

Como e quando plantar tulipas?

São um dos bolbos mais populares em jardins de todo o mundo, sendo muito valorizadas pelas suas cores...

Hortênsias: como e quando plantar? Como cuidar?

As hortênsias são uma planta com origem asiática que chegaram à Europa há séculos, tendo-se adaptado perfeitamente às...

10 dos melhores trilhos e percursos pedestres de Portugal

Portugal tem imensos percursos pedestres de grande qualidade, que atraem os amantes das caminhadas nacionais e até mesmo...

Tarte de maçã com canela e mel: impossível comer apenas uma fatia

Poucas sobremesas são tão consensuais como esta tarte de maçã com canela e mel. É uma sobremesa que...