Sexta-feira, 6 Janeiro, 2023

Chiqueiro: uma Aldeia de Xisto na Serra da Lousã com apenas 2 habitantes

Data:

Partilhar:

Em plena Serra da Lousã, na pequena e pitoresca aldeia de xisto de Chiqueiro, vivem apenas 2 pessoas… e o seu enorme rebanho de cabras. É a mais pequena aldeia de xisto de toda a serra e também uma das mais secretas. E, apesar do seu pequeno tamanho, consegue cativar com facilidade quem a visita.

O Chiqueiro tem apenas 2 pequenas ruas ladeadas pelo casario em xisto. A delimitá-la, 2 pequenos ribeiros e uma frondosa vegetação que lhe dão um ar acolhedor e pitoresco. O xisto utilizado na construção das suas casas é escuro e contrasta com a capela, o único edifício branco de toda a aldeia.

O seu nome não engana: este local esteve sempre associado à presença de animais. Hoje em dia é conhecida pelo seu rebanho de cabras, mas no passado, quando havia mais gente, havia também outros animais, como ovelhas, burros, galinhas e porcos. Aliás, o termo “chiqueiro” significa pocilga, o local onde dormem e comem os porcos.

Chiqueiro
Chiqueiro

Tendo apenas um casal de habitantes, é fácil visitar a aldeia de Chiqueiro e não encontrar aqui ninguém. Mas se tiver a sorte de os encontrar, irá perceber que chegou a um sítio onde todos são bem vindos, desde que respeitem os moradores locais e as suas tradições. Vale a pena trocar umas palavras com os seus moradores e descobrir um pouco mais sobre a história da aldeia.

Ficará a saber, por exemplo, que até aos anos 80 do século passado, eram muitas as famílias que aqui viviam. Os seus filhos partiram para outros locais em busca de uma vida melhor e por aqui ficaram apenas os mais velhos, agarrados ao cantinho que os viu nascer e teimando em manter viva a sua aldeia e o seu modo de vida.

Apesar de não regressarem, alguns dos filhos da terra começaram a recuperar as suas casas, talvez com a ideia de um dia voltarem ou de transformá-las em turismo rural. Nos últimos anos têm sido muitos os trabalhos de restauro que têm dado uma nova cara ao Chiqueiro.

Passear pelos seus becos e ruelas é a melhor forma de conhecer a aldeia. Não há muito para ver, mas há muito para sentir. Por isso, aprecie cada detalhe com atenção e tente imaginar como era a vida das pessoas que aqui moravam. A fonte de água, o tanque para lavar a roupa, o parque de merendas e a Capela da Nossa Senhora da Guia constituem o património arquitetónico do lugar.

Chiqueiro
Chiqueiro

Uma das melhores formas de conhecer esta região é realizando algum dos trilhos ou percursos pedestres oficiais da Serra da Lousã. O “PR5 LSA – Caminho do Xisto – Rota dos Serranos” tem pouco mais de 6 quilómetros e é de nível difícil, mas permite conhecer outras aldeias de xisto nos arredores, como Casal Novo e Talasnal.

Para além da vegetação frondosa de carvalhos, sobreiros e pinheiros bravos, é possível avistar pequenas ribeiras por entre os bosques. E, com um pouco de sorte, pode cruzar-se com alguns javalis, corços e veados. Tratando-se de um trilho difícil, recomenda-se que leve consigo roupa e calçado confortável, água, comida e um meio de comunicação.

Para além das já referidas aldeias do Talasnal e do Casal Novo, é ainda possível visitar Vaqueirinho, Catarredor, Candal e Cerdeira, todas elas aldeias de xisto e uma curta distância. O Baloiço do Trevim, o Castelo da Lousã e a Praia Fluvial da Nossa Senhora da Piedade são outras das atrações a não perder nas redondezas.

O seu aspecto humilde, simples e simpático fazem do Chiqueiro um daqueles locais onde a alma das gentes da Serra da Lousã ainda se mantém viva. Passear pelas suas ruas de xisto é fazer uma autêntica viagem ao passado e às raízes daquilo que somos enquanto povo. 

A Serra da Lousã possui muitas aldeias de xisto que outrora quase caíram no esquecimento. Mas felizmente, nos últimos anos, muitas têm sido recuperadas. As suas ruas e as suas casas começaram a ganhar uma nova vida. Algumas famílias mudaram-se para aqui de vez e os turistas também começaram a chegar.

Todos eles, habitantes e turistas, contribuem para que esta região ganhe de novo o fulgor que outrora perdeu. E em termos de dinâmica turística, é justo afirmar que a Serra da Lousã e as suas aldeias estão nas posições cimeiras da inovação e do turismo sustentável. De que está à espera para as visitar?

Diana Santos
Diana Santos
Nascida e criada em Barcelos, foi no Porto que estudou jornalismo mas chama casa à cidade de Guimarães. Alia o gosto pela escrita à sua paixão por viagens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário!
Por favor, escreva o seu nome aqui

Artigos relacionados

12 plantas que espantam mosquitos e que funcionam como repelentes naturais

Com a chegada do tempo quente, chegam também os insetos, como os mosquitos e as moscas. Nesses casos,...

7 das mais bonitas flores azuis para oferecer ou plantar no seu jardim

As flores azuis costumam ter uma conotação sentimental, estando ao mesmo tempo rodeadas de uma certa aura de...

Os 9 melhores locais para ver neve na Serra da Estrela

Sempre que chegam os dias frios do Inverno, os portugueses rumam à Serra da Estrela em busca de...

Os 7 locais mais românticos da Serra da Estrela

Quem disse que a Serra da Estrela só se visita no Inverno? Embora a grande maioria dos turistas...