Quinta-feira, 24 Novembro, 2022

6 castelos quase secretos para visitar no Alentejo

Data:

Partilhar:

Sabia que Portugal é um dos países da Europa com mais castelos? São quase 500, alguns mais bem conservados do que outros. Os castelos desempenharam um papel crucial na nossa história e serviram como baluarte de defesa contra os ataques dos mouros ou dos espanhóis. Os castelos do Alentejo não são exceção, especialmente porque grande parte deles se localiza junto à fronteira.

Ao longo dos séculos, foram sendo construídos castelos e outras fortificações um pouco por todo o Alentejo, à medida que Portugal conquistava território para sul. A raia (fronteira entre Portugal e Espanha) tinha que ser defendida, muitas vezes por um número de soldados bem inferior aos de Espanha. Mas existem castelos no Alentejo quase desconhecidos pela maioria das pessoas.

São hoje apenas vestígios da história turbulenta que, durante séculos, pairou nestas paragens. Já não cumprem a sua função defensiva mas servem, sobretudo, como atrações turísticas. Alguns estão em avançado estado de degradação, outros continuam imponentes e altivos e outros são quase secretos. Descubra 6 castelos quase desconhecidos no Alentejo.

1. Castelo de Valongo

Castelo de Valongo
Castelo de Valongo

O castelo de Valongo fica no topo de uma colina tipicamente alentejana. O campo que o rodeia está cultivado com grandes vinhedos e bem perto existe uma represa de água que lhe confere uma atmosfera ainda mais mágica. Este espelho de água cria também as condições ideais para os amantes da fotografia, que aqui acorrem com frequência.

É um dos raros castelos portugueses de traça tipicamente medieval (existem mais castelos medievais em Portugal, mas foram bastante alterados ao longo do tempo). Segundo alguns documentos, terá sofrido obras no século XV e XVI, quando ganhou uma torre de menagem com traça manuelina. 

2. Castelo de Ouguela

Ouguela
Ouguela

Localizada em Campo Maior, Ouguela é uma típica e belíssima aldeia alentejana, talvez uma das mais secretas da região. No alto de um monte com 270 metros de altitude, o castelo de Ouguela olha altivo para a paisagem ao seu redor e faz-nos lembrar a sua principal função no passado: a defesa da raia.

Por aqui passaram romanos e visigodos, mas terão sido os mouros que criaram as primeiras muralhas que viriam, mais tarde, a dar origem ao castelo. Foi um dos mais importantes castelos da raia alentejana mas perdeu a sua importância quando chegaram os tempos de paz.

3. Castelo de Veiros

Castelo de Veiros
Castelo de Veiros

Trata-se de um dos mais peculiares castelos do Alentejo (e até de Portugal). O castelo de Veiros, localizado na pequena aldeia com o mesmo nome, é construído em xisto, com pormenores de granito e de mármore, algo muito pouco comum. O castelo de xisto mais famoso do país é o da Lousã e quase todos os outros foram construídos em granito.

Não se conhece a data da sua construção e sabe-se apenas que a sua torre de menagem terá sido mandada construir durante o reinado de D. Dinis. Fazia parte de um conjunto estratégico de castelos com a função de defender esta zona da raia alentejana, juntamente com os castelos de Campo Maior, Monforte e Ouguela.

4. Castelo de Noudar

Castelo de Noudar
Castelo de Noudar

O castelo de Noudar está situado entre a ribeira da Múrtega e o rio Ardila, num local escolhido pela sua defesa natural, pelo fácil acesso e pela possibilidade de aproveitamento de água de excelente qualidade da Fonte da Figueira, a 250 metros para este do castelo, situada no chamado cerro da Forca.

O castelo foi construído em 1307, no reinado de D. Dinis. Por perto, existem boas terras para a agricultura, e extensos montados para o pastoreio do gado. Esta fortaleza desempenhou um papel importante na defesa da fronteira com Castela, em inícios do século XIV.

5. Castelo de Amieira

Castelo de Amieira
Castelo de Amieira

O castelo apenas esteve envolvido num episódio militar, em 1440, mas nem por isso desmerece a visita. Quando D. Leonor, princesa de Aragão, se desentendeu com o cunhado, o infante D. Pedro, retirou-se para o Crato e invocou o auxílio das forças de Castela, que cercaram a Amieira de modo a proteger D. Leonor.

D. Pedro, confrontado com essa insubordinação, determinou a ocupação dos castelos do priorado do Hospital nessa região, tendo ordenado que D. Álvaro Vaz de Almada acometesse sobre o castelo da Amieira. O castelo rendeu-se sem grande resistência e D. Leonor fugiu para Castela, restabelecendo-se a paz. Após o conflito, o castelo passou para as mãos do alcaide Pedro Rodrigues de Castro.

6. Castelo de Terena

Castelo de Terena
Castelo de Terena

Para compreender a antiga importância de Terena, é preciso compreender primeiro um pouco da sua história. O seu castelo, juntamente com os castelos de Alandroal, Juromenha, Mourão e Monsaraz faziam parte da linha de defesa do Guadiana. Enquanto a paz não chegava, a vida em Terena fervilhava. 

Mas com a chegada da paz entre Portugal e Espanha, a vida alterou-se radicalmente nesta pacata localidade alentejana. O castelo de Terena, construído no século XIII, deixou de ter a importância que tinha. As suas gentes foram partindo para outros locais e Terena começou, lentamente, a definhar.

Diana Santos
Diana Santos
Nascida e criada em Barcelos, foi no Porto que estudou jornalismo mas chama casa à cidade de Guimarães. Alia o gosto pela escrita à sua paixão por viagens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário!
Por favor, escreva o seu nome aqui

Artigos relacionados

6 das aldeias mais típicas para visitar no Alentejo

Terra de planícies onduladas, com casas caiadas de branco espalhadas por pequenos montes, o Alentejo é uma das...

Os 8 castelos mais imponentes de Portugal

Existem centenas de castelos em Portugal. Construídos como meio de defesa das fronteiras dos ataques espanhóis, hoje os...

Sericaia com ameixas de Elvas: um doce conventual de fazer crescer água na boca

Dizem os mais antigos que, em tempos idos, a Sericaia de Elvas era cozida juntamente com o pão...

Como e quando plantar tulipas?

São um dos bolbos mais populares em jardins de todo o mundo, sendo muito valorizadas pelas suas cores...