Domingo, 5 Fevereiro, 2023

10 dos locais mais bonitos do Gerês

Data:

Partilhar:

O Gerês é um local especial, sem dúvida. E apesar de ser popularmente conhecido por este nome, o Parque Nacional da Peneda Gerês engloba, na realidade, 4 serras: Peneda, Amarela, Soajo e Gerês. Por isso mesmo, é natural encontrar muitos locais paradisíacos nesta enorme área de paisagem protegida. E alguns dos locais mais bonitos do Gerês são também os mais secretos.

Muitos destes sítios são conhecidos apenas pelos habitantes locais ou por aqueles que, ao longo da sua vida, se dedicaram a explorar e a estudar o Gerês. Vale a pena recordar, por exemplo, que uma grande parte da área do Parque Nacional é de visita restrita e, por isso, quase desconhecida pela maioria da população.

Os locais que aparecem mais frequentemente nos guias turísticos são aqueles que se localizam em zonas abertas ao público ou de fácil acesso. Descubra alguns dos locais mais bonitos do Gerês e coloque-os na sua lista de destinos a visitar. O passeio vale bem a pena!

1. Branda da Aveleira

Branda da Aveleira
Branda da Aveleira

Branda da Aveleira, localizada às portas do Parque Nacional da Peneda Gerês, é um daqueles casos que mostra que a resiliência das pessoas não tem limites. Utilizada durante séculos como residência temporária, este pequeno aglomerado de casas esteve quase a desaparecer no século passado. Mas renasceu das cinzas e agora espera pela sua visita.

Hoje, a Branda da Aveleira possui um conjunto de casas destinadas ao turismo rural. Foram cuidadosamente recuperadas, mantendo a traça original. Tudo foi reconstruído de modo a manter viva a essência da aldeia e proporcionando o conforto que se exige nos dias de hoje.

2. Vale de Poldros

Vale de Poldros
Vale de Poldros

Trata-se de uma aldeia peculiar: é utilizada apenas durante o Verão (daí o nome “brandas”) pelos pastores em busca de bons pastos para o seu gado. Nos restantes meses do ano, os pastores descem até às inverneiras, locais mais abrigados do mau tempo.

A aldeia possui várias casas rudimentares de granito, chamadas cardenhas, onde eram guardadas as alfaias agrícolas e, muitas vezes, serviam também de abrigo para eles próprios e para o seu gado. Vale de Poldros ganhou visibilidade nos últimos anos e possui hoje algum dinamismo, apesar de ter apenas um habitante permanente.

3. Poço Azul

Poço Azul
Poço Azul

Já foi uma das cascatas mais secretas do Gerês. E embora continue a ser difícil encontrar muita gente no Poço Azul, a verdade é que o local é tão pequeno que, com apenas uma dezena de pessoas, já parece lotado. Por isso mesmo, se quiser experimentar o privilégio de ter uma lagoa só para si, mais vale pensar em ir à Cascata do Poço Azul durante a semana (e partir bem cedo porque o caminho é longo).

É uma das cascatas mais remotas do Gerês, o que garante que irá aventurar-se mesmo pelo interior do parque, onde só é possível ir a pé. Mas acredite: a caminhada vale bem a pena!

4. Poço do Teixo

Poço do Teixo
Poço do Teixo

É quase um mistério a razão pela qual esta pequena maravilha é quase desconhecida pelas pessoas que visitam o Gerês. É que o Poço do Teixo fica mesmo ao lado da Cascata do Arado, mas passa despercebido por todos aqueles que se maravilham tanto com esta cascata que aqui ficam e não exploram as redondezas.

Para chegar ao Poço do Teixo é muito simples: siga precisamente na direção contrária à Cascata do Arado, em direção ao Miradouro das Rocas. O Poço do Teixo fica um pouco antes do miradouro.

5. Ponte da Cava da Velha

Ponte da Cava da Velha
Ponte da Cava da Velha

A Ponte da Cava da Velha, também conhecida por Ponte Nova de Castro Laboreiro, é uma das pontes medievais mais bem conservadas de todo o Parque Nacional da Peneda Gerês. Terá sido construída por volta do século I (portanto, com origens romanas) mas reconstruída mais tarde, já durante a Idade Média, quando ganhou o aspeto atual.

É, portanto, uma daquelas pontes difíceis de catalogar: romana ou medieval? O certo é que, devido à sua acentuada reconstrução durante a Idade Média, só faz sentido catalogá-la como medieval.

6. Fechas do Malho

Poças do Malho
Poças do Malho

As Fechas do Malho são 4 poços bem fundos com 4 belas quedas de água no Rio Castro Laboreiro, mais ou menos entre a Mistura das Águas (ponto em que o Rio Peneda se encontra com o Laboreiro) e Ribeiro de Baixo. Servem de fronteira entre Portugal e Espanha.

A melhor forma de chegar até este local é pelo lado espanhol, numa rota que tem início quando quando a estrada que liga Olelas à Mistura das Águas termina. Decorre sempre do lado direito do Rio Laboreiro, no lado espanhol do Parque Nacional Peneda Gerês.

7. Santuário da Peneda

Cascata e Santuário da Peneda (António Cunha)
Cascata e Santuário da Peneda (António Cunha)

Construído nos finais do século XVIII, a julgar pela data inscrita na coluna existente ao cimo da escadaria de acesso, acredita-se que neste local tenha existido uma pequena ermida construída para lembrar a aparição da Senhora da Peneda, cujo culto foi crescendo e motivou a construção do santuário.

Um dos grandes motivos para visitar o Santuário da Peneda, além da devoção religiosa, é poder observar a sua imponente cascata. Se a quiser observar na sua plenitude, convém visitar este local alguns dias depois de cair bastante chuva.

8. Cascatas da Mata da Albergaria

Lagoas da Mata da Albergaria
Lagoas da Mata da Albergaria

Estas são, certamente, uma das cascatas mais secretas e menos visitadas do Gerês. E, curiosamente, até se localizam bem perto de outras mais conhecidas: a cascata da Portela do Homem.

Para chegar aqui terá que fazer uma pequena caminhada pela Mata da Albergaria, um bosque quase mágico e repleto de árvores centenárias. Se o caminho é belo, o final é paradisíaco: uma sucessão de pequenas cascatas com lagoas de águas cristalinas e de tom esverdeado. De que está à espera?

9. Mosteiro de Pitões das Júnias

Mosteiro de Pitões das Júnias
Mosteiro de Pitões das Júnias

É difícil imaginar um outro local com tanto misticismo como o Mosteiro de Pitões das Júnias, no Gerês. Trata-se de um local totalmente isolado do mundo exterior onde os monges viviam em recolhimento e dependentes apenas de si próprios e daquilo que a terra lhes dava. Na época em que foi construído, era o local perfeito para viver uma vida dedicada apenas à religião.

Não se sabe ao certo quando foi construído, mas sabe-se que é mais antigo do que a própria fundação de Portugal. Acredita-se que os primeiros eremitas estabeleceram-se neste local ainda no século IX, embora alguns estudiosos apontem a data de 1147 como o ano de construção do mosteiro. A única certeza, obtida através de documentos oficiais, é que já existia em 1247.

10. Poço Verde de Fafião

Poço Verde de Fafião
Poço Verde de Fafião

Há quem lhe chame Poço Verde do Gerês mas isso seria muito redutor. Afinal de contas, não faltam poços verdes em todo o parque. Este, em particular, localiza-se no Rio Fafião, perto da aldeia com o mesmo nome.

Ganhou fama nos últimos anos e começa a ter cada vez mais gente, mas se escolher o dia certo e tiver um pouco de sorte, talvez tenha o privilégio de o ter apenas para si.

Diana Santos
Diana Santos
Nascida e criada em Barcelos, foi no Porto que estudou jornalismo mas chama casa à cidade de Guimarães. Alia o gosto pela escrita à sua paixão por viagens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário!
Por favor, escreva o seu nome aqui

Artigos relacionados

Calamares à Romana: um petisco espanhol que faz crescer água na boca

A gastronomia espanhola nunca deixa de nos surpreender pela facilidade em criar petiscos deliciosos a partir de ingredientes...

Frango de churrasco à Portuguesa: delicioso e muito fácil de fazer

Sempre que chegam os dias quentes do Verão, chega também a vontade de desfrutar de um bom churrasco...

Tarte de abóbora com laranja: impossível comer apenas uma fatia

A tarte de abóbora com laranja sabe a um dia frio e chuvoso de Outono e a um...

Tarte de laranja e leite condensado: uma sobremesa que derrete na boca

A tarte de laranja e leite condensado é uma daquelas sobremesas que não deixa ninguém indiferente. O ligeiro...